Localização
Guarda (Distrito)
Investimento
2.500.000 €
2019

Recuperação Ambiental da Área Mineira de Canto do Lagar

Em curso

A antiga área mineira de Canto do Lagar localiza-se no distrito da Guarda, concelho de Gouveia, freguesia de Arcozelo, a cerca de 1.000 metros do marco geodésico “Outeiro do Pez”. As povoações mais próximas são Arcozelo e Cabra, a cerca de 2,5 Km a SW e NE, respetivamente. Existem algumas habitações dispersas a Este do jazigo e parcelas de terreno agrícola com vinhas e produtos hortícolas.

A exploração mineira nesta área decorreu nos anos de 1987 e 1988. Foram exploradas 9.078 toneladas de minério com um teor médio de 0,14% de U3O8, contendo 12.430 Kg U3O8.

A corta a céu aberto resultante da escavação executada em flanco de encosta tem cerca de 15 metros de profundidade máxima e um volume de escavação da ordem dos 36.000 m3. A corta encontra-se parcialmente inundada por águas pluviais (cerca de 1.600 m3 de água retida), que transbordam pela cota mais baixa na época das chuvas. Da exploração ocorrida resultaram duas escombreiras, bem individualizadas, uma de estéreis, com um volume total de 39.540 m3 e outra, de minérios pobres, que perfaz um volume de 4.220 m3.

Esta antiga área mineira foi objeto de uma intervenção de segurança em 2009 que consistiu na implementação de vedação na zona da escombreira.

Em 2019, será dado início à empreitada de recuperação ambiental desta mina, em conjunto com as de Ribeira do Bôco e Picoto.

Os objetivos para esta área mineira passam por garantir:

  • A modelação topográfica das escombreiras de estéreis e de minério pobre;
  • As condições de segurança adequadas, dependentes de uma estabilidade geomecânica dos taludes e do correto controlo de assentamentos e a;
  • A integração paisagística da área intervencionada.

Este projeto cumpre, igualmente, com os requisitos hidroquímicos e radiológicos internacionalmente aceites, sendo objetivo pós-remediação, em relação aos primeiros, a obtenção dos valores estabelecidos na legislação nacional (Decreto Lei nº 236/98) e comunitária. No caso de U e 226Ra, na ausência de legislação específica, tomaram-se os limites consignados nos EUA e no Canadá para estes elementos. Relativamente aos requisitos radiológicos, toma-se como objetivos pós-remediação o valor de referência da radiometria do fundo local, próximo dos 250 c.p.s.. Estes valores asseguram com elevado nível de segurança uma dose máximo de 1 mSv/ano acima do fundo local (medido por cintilometria com equipamento SPP2).

O investimento realizado é co-financiado pelo Fundo de Coesão e irá permitir resolver os passivos ambientais resultantes da exploração mineira neste local, trazendo benefícios para as populações locais, através da melhoria das condições atuais e utilização das áreas recuperadas para outros usos.