Localização
Mangualde (Concelho)
Investimento
4.866.747,48 (inclui Valdante) €
2011 - 2013

Remediação Ambiental da Área Mineira da Cunha Baixa

Concluídos

A mina da Cunha Baixa situa-se na freguesia do mesmo nome, concelho de Mangualde e distrito de Viseu.

Os trabalhos mineiros de reconhecimento tiveram início em 1967, seguindo-se a fase de desmonte entre 1970 e 1987. Atingiu-se a profundidade de 150 m com três pisos e galerias em direção que atingiram 900 m. Quase em simultâneo, em 1971, tiveram início os desmontes a céu aberto, no local do C.A. I e, posteriormente, no local do C.A. IV, que se prolongaram até março de 1991.

A produção conjunta, desmonte subterrâneo e céu aberto foi no total de 901.432kg de U3O8, contidos em minérios com teor médio de 0,186% de U3O8. A lixiviação dos minérios pobres na corta do C.A. I, teve início em 1983 decorrendo até 1993, produzindo-se cerca de 76.000kg de U3O8. Nesta operação, foram introduzidos os cerca de 400.000 ton de minérios pobres desta mina e outros transportados de Espinho e Póvoa de Cervães.

A obra de remediação ambiental da antiga área mineira da Cunha Baixa, a qual incluiu Valdante, consistiu nas seguintes atividades principais:

  • Impedir a comunicação hídrica que existia entre o céu aberto I e a parte subterrânea da mina, promovendo-se a diminuição do caudal de água contaminada afluente do céu aberto I;
  • Eliminar o potencial de reatividade, diminuir significativamente os níveis de radiometria e controlar a dispersão geoquímica e hidroquímica associada aos depósitos existentes, quer de materiais de escombreira mais enriquecidos, quer de antigas lamas de tratamento;
  • Diminuir a emanação e consequente dispersão de gás radão para a atmosfera;
  • Otimizar as estruturas e processos associados ao controlo e ao tratamento dos efluentes ácidos;
  • Garantir a estabilidade dos taludes da escombreira mais volumosa (E1);
  • Controlar o escoamento superficial em todo o perímetro da área mineira, no sentido de se diminuírem fenómenos de erosão ravinosa e afluências descontroladas de águas pluviais à zona dos 4 céus abertos existentes (I, II, III e IV);
  • Melhorar as condições gerais de segurança para pessoas e animais;
  • Integrar paisagística e ecologicamente toda a área diretamente afetada pela atividade mineira, bem como as zonas situadas na vizinhança imediata;
  • Tratar as áreas contaminadas com solos agrícolas e;
  • Promover a irrigação a jusante de áreas com aproveitamento agrícola com águas de adequada qualidade.

Esta empreitada foi adjudicada à Empreigalde – Engenharia e Construção, S.A. por 4.611.523,66 € e teve a duração de 540 dias.

O investimento realizado foi co-financiado pelo Fundo de Coesão e permitiu resolver os passivos ambientais resultantes da exploração mineira neste local, trazendo benefícios para as populações locais, através da melhoria das condições atuais e utilização das áreas recuperadas para outros usos.

povt-qren-uev3